Marina Silva – o desastre anunciado?

marina

Em uma sociedade mega, como a brasileira, com milhões de eleitores, qualquer categoria assume números imensos. Assim, bons votantes, maus votantes, votantes ‘enganados’, votantes ‘arrependidos’ e outros.

Fernando Collor passou por três fases na psique dos eleitores. Deveria servir como exemplo para muitos.

Primeiro, euforia e ilusão na versão patética ‘caçador de marajás’. Eram eleitores crédulos de que a honestidade no poder fosse uma opção. Depois a vergonha com o impeachment. Por fim o gosto amargo na boca com todo mundo negando que tivesse votado.

Marina guarda grandes semelhanças em certos pontos.

Primeiro, é órfã estrutural de um partido político a lhe dar sustentação ideológica e atemporal. Já na semana após a morte de Eduardo Campos brigou com o Psb.

Segundo, sem qualquer base parlamentar a lhe sustentar um mandato minimamente estável. Sua carreira solo a torna uma bomba relógio em termos de negociações necessárias à presidência. Será que isolada e alegando ‘traição’ chamaria as Forças Armadas a lhe ajudar?

Por fim, a personalidade autoritária somada à não contenção psicológica estrutural de um grande partido a lhe auxiliar. Ou lhe conter. Uma hipótese era Marina vice; outra muito diferente é Marina presidente. E nem se precisa considerar o fundamentalismo religioso a que é adepta, importante para se conhecer um traço nitidamente conservador (Marilena Chaui, Cultura e democracia, p. 83).

Marina virou ‘cult’ para modernosos e descolados que recitam mantras de salvação do planeta. Também passou a ser opção de uma classe economicamente dominante com antropológicas dificuldades de pensar, que elaborou ser Marina o voto filosofal. Mais ou menos a revoltinha burquesa que representou Collor naqueles idos do desastre.

Um aspecto importante para muitos da elite é que Marina possa representar um tipo de redenção. Desgostosos com seus pares históricos da classe dominante e ao mesmo tempo crédulos de que o Pt possa ter se exaurido, apostam num novo modelo de poder: a mulher, negra, do Norte. Aí, três ícones de moda.

Uma das proposições para a condição de ‘poder’ é que ele vem de baixo, não existindo oposição binária e global entre dominadores e dominados (Iná Elias de Castro, Geografia e política, p. 98, citando Foucault). Uma parcela considerável dessa elite insiste em ‘crer’; idealizar a Marina-salvação. O velho arquétipo do personalismo redentor. Novamente, idêntico ao que se deu com Collor.

O ‘vir de baixo’ aí quer dizer um amplo espectro de legitimação para governar. Nunca o isolacionismo como remédio e salvação. Marina – longe de ser uma ecológica purista- não tem base fiel ou própria. Só aproveitadores de plantão que se juntam a este nominalismo-eco.

Até a ‘sustentabilidade’, subgênero do poder, Marina já se desincumbiu de descolar de si, após a morte de Eduardo Campos. No último debate praticamente não entrou no tema. Migrou para as grandes fisionomias do poder, buscando se equiparar a Dilma.

Marina não tem culpa em ter perdido Campos. Mas se enganam os que pensam que ela possa ter ‘subido’ para o palanque de presidenciável. Esta é a grande peça do destino. O fato de ela ter uma boa ‘oratória’ em público impressiona aquela parcela que depois costuma se ‘arrepender’. Mas um novo desastre agora pode ser um retrocesso cavalar. OBSERVATÓRIO GERAL / Jean Menezes de Aguiar.

[Matéria republicada no BRASIL 247]



Categorias:Política

Tags:,

2 respostas

  1. Não adianta lamentar a pré-derrota do Aécio, para as eleições de 2014! Ele que comece a trabalhar para as eleições de 2018, porque a Marina já disse que iria promover a não reeleição, de mais um mandato para o governo.
    O que é quase certo, é que vamos ter alternativa no governo pela mão da Marina, que nos vamos livrar dos bolivarianos, que a Venezuela vai ficar isolada, que vai ser dada prioridade absoluta ao investimento na infraestrutura nacional e não na cubana, que o bolsa família vai ser um programa de inserção social do Estado e não do governo, como acontece em todos os países desenvolvidos, que vai ser executado um grande investimento econômico e qualitativo na Educação e na Saúde, e que vai liberalizar mais a economia, com uma reforma nos impostos e na facilidade de investimento. Quanto aos potenciais referendos, essa situação acontece controladamente na maioria dos países europeus e acreditemos que pode ser um passo positivo, desde que contenha regras e especificações bem rigorosas.

  2. BEM, É MUITO DIFÍCIL ACREDTAR QUE UMA CANDIDATA SEJA REALMENTE SOCIALISTA SE DE CARA SE DEIXA PEITAR POR FUNDAMENTALISTAS E LAVA AS MÃOS QUANTO AOS DIREITOS HUMANOS…SOCIALISMO SÉRIO CONSIDERA HUMANIDADE…DEUS É OUTRA COISA…CASO DE FORO ÍNTIMO E CONTATO PESSOAL QUE NÃO DISPENSA ESTUDO E PENSAMENTO E VINCULAÇÃO ULTRA ÉTICA…O MEDO É O BORRALHO FANÁTICO POUCO INSTRUIDO DOMINÁ-LA…GENTE QUE DECIDIU COVARDEMENTE NÃO CAMINHAR PARA A FRENTE , INCLUINDO E DESRESPEITANDO E NÃO RESPONDENDO AO DESAFIO DE UMA HUMANIDADE SAGRADA SEGURA E TODA ELA COM TOQUES DIVINOS…ISSO É SOCIALISMO…O RESTO É BALELA…AGORA É ENGRAÇADO, QUANDO GOVERNOS DE ESQUERDA SE UNEM PROCURANDO FORMAR UMA FRENTE É UM GRANDE ALARIDO… A DIREITA FUNDAMENTALISTA SE UNE, MANDA RECURSOS DA EUROPA E EUA, FOMENTA ÓDIO E ANTIBRASILIDADE E UM SILÊNCIO É O QUE REINA…INDIFERENÇA COVARDIA __O QUÊ?… É QUE MUITA GENTE DISFARÇA PATRIOTISMO MAS SEUS IDEAIS SÃO DE DIREITA E EXTREMA DIREITA…PERIGAMOS PERDER ATÉ A CARTEIRA ASSINADA ( SEGURO SOCIAL ) SE ESSE PROCESSO FOR INIDÔNEO…PENSEMOS COM CUIDADO…NÃO VIVEMOS NAS ANTIGUIDADES DE ISRAEL COMO MUITA GENTE QUER..DEUS NÃO É IMOTO E CAMINHA E EVOLUI CONOSCO…SEC XXI GENTE!…SÉC XXI…ACORDEMOS… ABRAÇOS Jorge Luiz BONS “VOTOS”!… BJS. J.

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: